Autor: José Martins de Godoy

CONHECENDO AS PESSOAS

Como executivo, o CEO de hoje, durante muitos anos, desenvolvi um feeling a respeito de pessoas, uma certa capacidade para ler nas entrelinhas. Quando me solicitavam uma reunião, p.ex., observava os detalhes. A maneira de entrar na sala, com passos decididos ou não, com olhar firme ou mirando o horizonte, sem saber lidar com as mãos, e outras posturas, indicava se o que vinha pleitear ou propor era algo legítimo. Outra convicção era a respeito das pessoas com as quais tinha convivência longa interação profissional:  podia inferir se eram leais ou não. Assim, julgava que conhecia múltiplas facetas e qualidades do ser humano. Recentemente, encontrei o seguinte depoimento (autor desconhecido): “Apanhei muito da vida até aprender que nunca mais devo dizer: ‘Conheço essa pessoa o bastante e ela nunca faria isso’, porque no fundo jamais saberemos do que uma pessoa é capaz. Ninguém conhece ninguém de verdade”. É a mais genuína verdade. Posso afirmar que pessoas, com as quais tive longa convivência e julgava-as leais, foram capazes de protagonizar ações impensáveis. Prosseguindo, há alguns conceitos que são imutáveis. P.ex., “…Toda árvore boa produz frutos bons, e toda árvore má, produz frutos maus”, Mt 7,17. Quanto ao ser humano, há exceções! Conheci pais justos e íntegros e filhos completamente diferentes: possivelmente, os frutos caíram da árvore, rolaram para longe e apodreceram. Já encontrei frutos maus supostamente vindo de árvores boas;...

Leia mais

COMO EXORCIZAR O PESSIMISMO

Defende-se a ideia de que não se deve ligar a TV e ler determinados jornais para exorcizar o pessimismo no país. De fato, a maioria das mídias deveria honestamente limitar-se aos fatos, à verdade. Como constatamos hoje a manipulação de notícias, a postura correta é ignorá-las e buscar a realidade. Assim procedendo, como num passe de mágica, tudo melhora. A índole humana já tem o viés de destilar o pessimismo e a desgraça; essa tendência fica mais cristalizada quando há interesses subalternos. A outrora grande mídia, constituída de grandes jornais e poderosas redes de TV, mas hoje decadente, sem a publicidade estatal, procura distorcer os fatos, de forma a dar a impressão que estamos caminhando para o caos. Os militantes de uma ideologia bem conhecida, infiltrada na mídia, e oportunistas constituem o movimento que visa ao “quanto pior, melhor” para assumir o poder. Estou seguindo a sugestão antes mencionada. Há três anos não ligo a TV. Aboli a leitura dos principais jornais. Há uma sensação de liberdade não ter que me sujeitar a opiniões viciadas e propositalmente deletérias. Como ainda fico ligado aos acontecimentos? Ainda navego em um site de notícias; só pelas manchetes constato a prática recorrente que expus acima. Tenho também o LinkedIn e Whatsapp. Apesar de o LinkedIn ser uma mídia dedicada a negócios e profissões, muita gente ainda faz postagens de lixos manipulados e ideológicos....

Leia mais

O ZELO COM A COISA PÚBLICA

Há no país um arsenal jurídico, normas e procedimentos muito bem definidos para contratações/aquisições de bens e serviços na administração pública e empresas estatais. Como explicar a colossal corrupção nos últimos anos? Para entender o que acontece (o Mensalão e os desvios descobertos pela Lava-Jato), é preciso admitir que o alto e médio escalões estavam mancomunados. Se adotados os cuidados como no exemplo abaixo, essas aberrações jamais teriam acontecido. A Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), pela sua expertise e resultados alcançados na longa trajetória, teve um projeto aprovado para a melhoria da educação em um Estado, com o orçamento subsidiado, cobrindo apenas as despesas diretas. Pela urgência em implementar o projeto, uma vez que os resultados da rede estadual precisam ser melhorados, o Estado e a FDG mobilizaram equipes para o início do projeto. Mas o zelo dos agentes públicos, encarregados de analisar tais contratações, impede o início dos trabalhos de acordo com cronograma projetado. Atendidas a todas as exigências e fornecidas informações, certificados, parecer jurídico, a dispensa da licitação impõe-se como prática legítima. A FDG é uma Oscip, organização sem fins lucrativos, em que seus dirigentes não são remunerados. Possui ainda as características: a) implementa a Gide Avançada – Gestão Integrada da Educação, idealizada pela professora Maria Helena Godoy, referência nacional na matéria. b) é a única Instituição a implementar a Gide Avançada com todas as suas soluções;...

Leia mais

O FOCO NOS FINS GARANTE RESULTADOS

Todos são unânimes em afirmar que  a educação é fundamental para o progresso  de um país. Com o sucesso da GIDE Avançada-Gestão Integrada da Educação, no âmbito da Parceria SEEMG/FDG, abrangendo todo o ensino fundamental do Estado, julgou-se que isso acarretaria  forte incentivo  para implementação do sistema gerencial pelos municípios mineiros. Registre-se que os dirigentes e docentes das escolas estaduais abraçaram com vigor a GIDE,  investindo na melhoria do ensino-aprendizagem, mesmo em tempo de pandemia. Graças ao esforço de todos, instruídos pelo método gerencial, Minas venceu o desafio do ensino remoto. Melhores informações podem ser obtidas em www.fdg.org.br. Com resultados positivos nas escolas estaduais, julgou-se que os novos prefeitos priorizariam a melhoria da educação em seus municípios. Aliás, aguardou-se a realização das eleições e a posse dos novos dirigentes para que a FDG fizesse a divulgação das  conquistas obtidas na Parceira com o Estado. Ora, se a educação tem influência direta no desenvolvimento social e econômico,  implementação da GIDE seria uma excelente oportunidade para se fazer uma revolução em MG pela elevação do seu IDH. É evidente que pessoas mais bem educadas e instruídas cuidam melhor da sua saúde e da segurança pessoal, têm melhor empregabilidade,  mais elevada remuneração, são conscientes da importância do meio ambiente, entre outros.  Com esse objetivo, realizaram-se reuniões  com dirigentes de muitos municípios para analisar os  resultados de suas redes, principalmente o desempenho no IDEB. Nas discussões,  constatou-se  que, de fato, a educação  é   prioritária na “agenda” dos...

Leia mais

COMPLEXO DE VIRA -LATA

Tive um Professor, na época Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Metalurgia, que descrevia a nossa situação institucional como sendo de micro ânimos e macro sustos. Outra imagem era a de que vivíamos pequenos picos (animados) e profundos vales (desanimados), na maioria das vezes nos vales. Isso era real, tal o nível de incertezas que se nos apresentavam, como: teríamos salas para professores e alunos, os laboratórios, o corpo docente completo, entre outros? A cada hora recebíamos notícias desconexas sobre a nossa continuidade no local de trabalho. Temos hoje outra realidade, tal a segurança e nível de certezas, não só na atividade de ensino e pesquisa, como também em muitas outras atividades conduzidas no País. Todavia, existe um nível de pessimismo de dar inveja a Nelson Rodrigues, quando atribuiu ao brasileiro o complexo de “vira-lata”.  A economia se recupera e também empregos, a produção industrial aumenta, o agronegócio bate recordes (ora, o Brasil está alimentando meio mundo!), a balança comercial apresenta superávits, trabalha-se eficazmente para melhorar a infraestrutura, as concessões de estradas e aeroportos estão acontecendo, as privatizações, infelizmente ainda lentas, estão andando. Mas tudo isso não merece das mídias os devidos destaques, o que elevaria o moral da população. Só notícias ruins merecem grandes espaços. Vivi durante 3 anos no exterior, há muitos anos, e   constato que lá as mídias louvavam os feitos internos para insuflar o ego...

Leia mais