Autor: Godoy

TRIBUTO A EDUCADORES

O ser humano normalmente é resistente a mudanças. O contrário foi constatado neste momento em que as escolas foram fechadas para proteger dirigentes, educadores, funcionários e alunos contra a pandemia. Necessário seria promover o ensino remotamente, pois o isolamento social pode durar muito. Pensou-se que haveria resistência a esta metodologia de ensino. Porém, constatamos um grande interesse na capacitação dos dirigentes e professores para trabalhar à distância, a fim de que os alunos não ficassem sem aprender. Da nossa parte, disponibilizamos a Plataforma FDG Ensina, de forma aberta e gratuita, a todos os interessados. Esta Plataforma difunde conceitos gerenciais para melhorar resultados pedagógicos; além disso, incluímos sugestões para facilitar o ensino em casa a pais e estudantes. Foi enorme a adesão e a utilização, continuando o crescimento diário de downloads e cadastramento de usuários. Também, tomamos a iniciativa de divulgar canais e como utilizá-los para transmissão de aulas ao vivo e gravadas e, ainda, várias ferramentas para produzir aulas atrativas. Isso foi feito por meio de 2 webinars, com intervalo de 2 semanas. Foi emocionante a participação de milhares educadores nesses eventos durante as transmissões. Além disso, milhares de pessoas continuam recorrendo ao material divulgado, o que pode ser constado no canal Youtube da FDG. A interação continua, com elogios aos milhares pela iniciativa de auxiliar os docentes, principalmente, para a viabilização do ensino remoto. Eles apresentam pedidos e...

Leia mais

O BRASIL NO TESTE DO PISA

O Brasil, 8ª economia do mundo, posicionou-se no 57º lugar no último Teste do PISA (Programme for International Student Assessment). Sem os estudantes das escolas particulares, o País passaria a ocupar a  66ª posição. Isso é devido, em grande parte, a uma pedagogia equivocada, de cunho ideológico,  que visava a formar militantes e não pessoas competentes em conteúdos. Um vexame!   Despencou, uma vez que, em 2000, o Brasil ocupava a 30ª posição.  O atual estágio pode ser substancialmente  melhorando, mudando-se o propósito do ensino e atacando-se causas básicas dos maus resultados.  Aplicando a GIDE AVANÇADA em mais de 6 mil escolas públicas, observamos  causas  recorrentes, como absenteísmo de professores e de alunos, aulas pouco atrativas, não cumprimento dos programas, falta de preocupação com a aprendizagem e de cobrança dos conteúdos ministrados.  Em muitas escolas,  dirigentes não medem estas causas,  e quem não mede não gerencia. Nas  escolas em que houve a mensuração, elaborados planos de ação  e conduzida a execução de tais planos  com rigor e persistência, melhoria significativa do desempenho dos alunos foi constatada  pelo IDEB. Sem dúvida, o ataque a causas básicas melhoraria a posição Brasil. Todavia, para ocupar  as primeiras posições, é necessário  melhorar a formação e elevar a remuneração dos professores para  tornar a profissão mais competitiva;  criar de melhores condições de hard e software para aulas mais atrativas e dinâmicas; também, os estudantes precisam dedicar mais tempo aos estudos (em países mais bem colocados, o tempo  de dedicação  é o dobro), entre outras medidas. Há um...

Leia mais

EFEITOS FUTUROS DA PANDEMIA

*Em colaboração com Rodrigo Godoy O ano de 2020 trouxe uma pandemia. No enfrentamento do vírus, a medida tem sido o distanciamento social, o que tem causado a paralisação da maioria das atividades econômicas. Corremos risco de entrarmos em uma depressão global, dependendo do tempo necessário para encontrarmos soluções definitivas. No Brasil, as consequências podem ser devastadoras, principalmente no emprego e renda, logo agora que vínhamos, com medidas econômicas certas, porém com efeitos de médio prazo, nos recuperando dos malfeitos que nos levaram à beira do abismo. Os efeitos e aprendizados dessa crise ainda são difíceis de prever. Certa vez, disse Jack Welch, histórico CEO da GE: “o ser humano odeia mudança. E é por essa razão que os líderes precisam, além de dizer que é necessário mudar, dizer também o porquê é preciso mudar, e o que cada um ganha com isso”. Mesmo assim, o nosso palpite é que a maioria das mudanças ocorrem, não pela força do líder, e sim pelos desafios de sobrevivência e pela consequente necessidade, às vezes brusca, de adaptação. É a psicologia humana! Um efeito secundário dessa crise nos salta aos olhos: o trabalho intelectual remoto está sendo testado pela primeira vez em larga escala, e parece que veio para ficar. Ele não nasceu hoje, pelo contrário. Domenico de Masi, no livro “O Ócio Criativo”, apontava uma tendência crescente ao “teletrabalho” a partir...

Leia mais

MODISMOS NA ÁREA DE GESTÃO

“O que já foi, é o que está sendo; o que existirá, já foi, e…”, Ecle 3,15. Na área de gestão proliferam modismos. Na ânsia de conquistar visibilidade e contratos, candidatos a gurus  tentam dar novas roupagens a conceitos fundamentais que foram  cientificamente estabelecidos, a fim de parecerem diferenciados e modernos. Produzem festival de siglas, capazes de realizar maravilhas  para os possíveis clientes, afirmam.  Puro engano, não há como encurtar caminhos. Sempre será necessário atuar metódica e persistentemente para produzir resultados. Não há almoço de graça. Na década de oitenta, quando pesquisamos metodologias de  Gestão em vários países, verificamos que  o ciclo PDCA,  sistema cientifico para atingir metas e resolver problemas, é o  sistema fundamental e imutável. É como uma lei da Física. Formulado por Shewhart há 100 anos, largamente testado no Japão por Juran, Deming, Ishikawa, e demais cientistas e engenheiros da JUSE e das empresas. O PDCA sustenta a Gestão pela Qualidade Total(GQT), que adaptamos às condições brasileiras e a difundimos em larga escala, sendo um sistema autossuficiente.  Ultimamente, vêm à tona versões ditas ágeis  que são, na  realidade, variações sobre o mesmo tema, significando  “o que está sendo, já foi…”.  Outra particularidade: muitas pessoas que se dizem expert no assunto confundem ferramentas com sistema de gestão e, assim, as difundem. Existem inúmeras ferramentas provenientes de várias fontes do conhecimento, como a Estatística, p.ex. Tudo o que existe e vier a ser concebido encontrará aplicabilidade no PDCA, dependendo da complexidade...

Leia mais

HOMENAGEM A PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Nos últimos anos, foi lastimável a atuação dos governantes com relação a áreas em que o Estado tem a responsabilidade de prover serviços de boa qualidade, como educação, saúde, segurança. Acaba de sair o resultado do PISA/2018, mostrando que o País está estagnado na educação na 57ª posição entre 77 países. Na área de saúde, é comum observarem-se longas filas para atendimentos hospitalares, meses de espera para se conseguir uma consulta no SUS, pacientes em macas em corredores de hospitais. Uma tragédia, num País com uma das cargas tributárias mais elevadas. Todos sabem quais são os drenos dos recursos, resultado de um Estado gigantesco que, além de tudo, acomoda privilégios de várias naturezas, haja vista o custo dos três poderes. E há resistências a todo de tipo de racionalização, como a iniciativa recente de reduzir o número dos pequenos municípios. Resultaria em menos prefeitos, vice-prefeitos, câmaras, etc.,  uma baita economia. Políticos oportunistas já se posicionam contra a medida, como forma de garantir os possíveis votos dos habitantes desses locais.  Recentemente, tive uma emergência quando estava na fazenda da família em Frei Inocêncio, MG. Um familiar necessitou de atendimento de extrema urgência. Graças a Deus, foi possível acorrer ao Hospital São Geraldo, hoje bastante modesto, com condições mínimas para se trabalhar. Consta que já foi um hospital de referência na região. Com o “zelo” que governantes têm dedicado à área de...

Leia mais