Autor: José Martins de Godoy

O ZELO COM A COISA PÚBLICA

Há no país um arsenal jurídico, normas e procedimentos muito bem definidos para contratações/aquisições de bens e serviços na administração pública e empresas estatais. Como explicar a colossal corrupção nos últimos anos? Para entender o que acontece (o Mensalão e os desvios descobertos pela Lava-Jato), é preciso admitir que o alto e médio escalões estavam mancomunados. Se adotados os cuidados como no exemplo abaixo, essas aberrações jamais teriam acontecido. A Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), pela sua expertise e resultados alcançados na longa trajetória, teve um projeto aprovado para a melhoria da educação em um Estado, com o orçamento subsidiado, cobrindo apenas as despesas diretas. Pela urgência em implementar o projeto, uma vez que os resultados da rede estadual precisam ser melhorados, o Estado e a FDG mobilizaram equipes para o início do projeto. Mas o zelo dos agentes públicos, encarregados de analisar tais contratações, impede o início dos trabalhos de acordo com cronograma projetado. Atendidas a todas as exigências e fornecidas informações, certificados, parecer jurídico, a dispensa da licitação impõe-se como prática legítima. A FDG é uma Oscip, organização sem fins lucrativos, em que seus dirigentes não são remunerados. Possui ainda as características: a) implementa a Gide Avançada – Gestão Integrada da Educação, idealizada pela professora Maria Helena Godoy, referência nacional na matéria. b) é a única Instituição a implementar a Gide Avançada com todas as suas soluções;...

Leia mais

O FOCO NOS FINS GARANTE RESULTADOS

Todos são unânimes em afirmar que  a educação é fundamental para o progresso  de um país. Com o sucesso da GIDE Avançada-Gestão Integrada da Educação, no âmbito da Parceria SEEMG/FDG, abrangendo todo o ensino fundamental do Estado, julgou-se que isso acarretaria  forte incentivo  para implementação do sistema gerencial pelos municípios mineiros. Registre-se que os dirigentes e docentes das escolas estaduais abraçaram com vigor a GIDE,  investindo na melhoria do ensino-aprendizagem, mesmo em tempo de pandemia. Graças ao esforço de todos, instruídos pelo método gerencial, Minas venceu o desafio do ensino remoto. Melhores informações podem ser obtidas em www.fdg.org.br. Com resultados positivos nas escolas estaduais, julgou-se que os novos prefeitos priorizariam a melhoria da educação em seus municípios. Aliás, aguardou-se a realização das eleições e a posse dos novos dirigentes para que a FDG fizesse a divulgação das  conquistas obtidas na Parceira com o Estado. Ora, se a educação tem influência direta no desenvolvimento social e econômico,  implementação da GIDE seria uma excelente oportunidade para se fazer uma revolução em MG pela elevação do seu IDH. É evidente que pessoas mais bem educadas e instruídas cuidam melhor da sua saúde e da segurança pessoal, têm melhor empregabilidade,  mais elevada remuneração, são conscientes da importância do meio ambiente, entre outros.  Com esse objetivo, realizaram-se reuniões  com dirigentes de muitos municípios para analisar os  resultados de suas redes, principalmente o desempenho no IDEB. Nas discussões,  constatou-se  que, de fato, a educação  é   prioritária na “agenda” dos...

Leia mais

COMPLEXO DE VIRA -LATA

Tive um Professor, na época Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Metalurgia, que descrevia a nossa situação institucional como sendo de micro ânimos e macro sustos. Outra imagem era a de que vivíamos pequenos picos (animados) e profundos vales (desanimados), na maioria das vezes nos vales. Isso era real, tal o nível de incertezas que se nos apresentavam, como: teríamos salas para professores e alunos, os laboratórios, o corpo docente completo, entre outros? A cada hora recebíamos notícias desconexas sobre a nossa continuidade no local de trabalho. Temos hoje outra realidade, tal a segurança e nível de certezas, não só na atividade de ensino e pesquisa, como também em muitas outras atividades conduzidas no País. Todavia, existe um nível de pessimismo de dar inveja a Nelson Rodrigues, quando atribuiu ao brasileiro o complexo de “vira-lata”.  A economia se recupera e também empregos, a produção industrial aumenta, o agronegócio bate recordes (ora, o Brasil está alimentando meio mundo!), a balança comercial apresenta superávits, trabalha-se eficazmente para melhorar a infraestrutura, as concessões de estradas e aeroportos estão acontecendo, as privatizações, infelizmente ainda lentas, estão andando. Mas tudo isso não merece das mídias os devidos destaques, o que elevaria o moral da população. Só notícias ruins merecem grandes espaços. Vivi durante 3 anos no exterior, há muitos anos, e   constato que lá as mídias louvavam os feitos internos para insuflar o ego...

Leia mais

MELHORANDO RESULTADOS NA EDUCAÇÃO

Se perguntarmos a uma pessoa que não domine  conceitos básicos de gestão, certamente ela dirá que é muito difícil melhorar os resultados da educação porque existem muitos problemas. Errado! Problemas são maus resultados da atividade fim e, na educação, é a aprendizagem. Assim, temos, de fato, três problemas: evasão, repetência e baixo desempenho da grande maioria dos alunos aprovados, que o fazem com a nota mínima. Todavia, se perguntarmos se existem muitos fatores que acarretam os problemas, os maus resultados, e a pessoa responder que são inúmeros a resposta estará correta. De fato, os fatores são numerosos e os classificamos como causas dos maus resultados. Mas isso não nos impossibilita de trabalhar para melhorar os resultados. Felizmente, há o Princípio de Pareto que nos diz que são poucas causas importantes e muitas triviais. É o Princípio 80×20, ou seja, as poucas causas importantes respondem por 80% dos problemas. Na implementação da GIDE AVANÇADA em 11 Estados, durante 22 anos, a FDG-Fundação de Desenvolvimento Gerencial constatou que as causas mais importantes que impedem a melhoria dos resultados da educação, principalmente pública, são recorrentes. Independentemente da região, 70% das causas são responsáveis pelos problemas. Em vista dessa constatação, foi desenvolvido o IFC/RS- Índice de Formação de Cidadania e Responsabilidade Social, um indicador que viabiliza um diagnóstico rápido do desempenho de determinada escola, que aponta as causas principais responsáveis pelos maus resultados....

Leia mais

UM MOVIMENTO VIRTUOSO

No âmbito do Programa Gestão pela Aprendizagem/SEEMG, a FDG-Fundação de Desenvolvimento Gerencial está assistindo o ensino fundamental, em 1009 escolas, por meio da implementação da GIDE Avançada- Gestão Integrada da Educação. O objetivo é a melhoria dos resultados do ensino-aprendizagem, que deve ser o foco principal das escolas. A participação da FDG tornou-se possível graças a uma conjugação favorável de fatores: a Secretária Júlia Sant’Anna participou do nosso trabalho no RJ (ela fazia parte da equipe da SEE), quando atuamos no Estado em 2011, e produzimos ótimos resultados; devido ao firme propósito da Secretária e do Gov. Romeu Zema de melhorar os resultados da educação em MG, estabeleceu-se uma Parceria extremamente exitosa.  A FDG tinha uma trajetória de 20 anos, com atuação em 10 Estados, beneficiando cerca de 6 milhões de estudantes e capacitando 6000 dirigentes e docentes; deixou ótimos resultados que permanecem, até hoje, em alguns Estados. Porém, nunca tivera a oportunidade de fazer um trabalho mais abrangente em MG, apesar de tentativas com governantes anteriores.  De agosto/19 a abril/21, a FDG pôde contribuir de forma eficaz para condução e melhoria do ensino, inclusive na modalidade remota, como foi constatado pela pesquisa da FGV-Fundação Getúlio Vargas, em que MG teve um posição de destaque no ensino remoto. Resultados, depoimentos, reconhecimentos estão registrados no site www.fdg.org.br. Constatam-se o zelo, o engajamento e o entusiasmo dos dirigentes e docentes das escolas envolvidas no cumprimento dos...

Leia mais